Será que podemos agradecer a morte de alguém que amamos tanto?

Por Fernanda Ferraz Figueiredo para Vamos Falar sobre o Luto Ao perder meu pai, eu encontrei a mim mesma. A correria da vida nos desloca do que realmente importa, enquanto a vivência da morte nos permite presenciar mudanças poderosas de

“Para quando eu me for”, um texto para quem não tem medo de se emocionar

Por Conti Outra Morrer é uma surpresa. Sempre. Nunca se espera. Nem mesmo o paciente terminal acha que vai morrer hoje ou amanhã. Na semana que vem talvez, mas apenas se a semana que vem continuar sendo na semana que

Fale Conosco