Mãe de um anjinho, jornalista lança livro sobre gestação, luto e uma nova maneira de enxergar a vida

Site Midia Max por Mariana Lopes

Mãe de um anjinho, a jornalista Marcela Albres, 32 anos, lança em novembro o livro “Até Sempre, Meu Filho”, no qual conta a própria história, desde as dificuldades para engravidar, a descoberta de uma cardiopatia do filho ainda na gestação, a luta no hospital, o luto após a morte de Felipe e uma nova maneira de enxergar a vida.

“O livro é quase que um diário. Comecei escrevendo para desabafar e conseguir lidar com a dor pela morte do Felipe. Alguns textos publiquei nas redes sociais e aí os amigos começaram a me incentivar a escrever um livro. No começo achei que não tinha a menor condição disso acontecer. Pensava que eu não tinha nada a acrescentar para as pessoas e que ninguém iria querer ler uma história sobre a morte de uma criança. Com o tempo percebi que eu estava errada. Muitas pessoas vinham falar comigo dizendo que meus textos as ajudaram a seguir em frente, a superar o luto ou mesmo a dar mais valor à família. Então, criei coragem e transformei esses textos em um livro que fala sim sobre a morte, mas diz muito mais sobre a vida”, diz Marcela.

Felipe nasceu no dia 7 de novembro de 2017 e faleceu 31 dias depois. “Felipe tinha sete tipos de cardiopatia congênita e operou com três dias de vida. A cirurgia demorou cerca de 10 horas. O coração dele não conseguiu funcionar sozinho e ele ficou ligado a duas máquinas para dar suporte à vida (ECMO e PRISMA). Felipe lutou muito e desafiou a morte incontáveis vezes. No dia 8/12/17, ele descansou e foi curado por Deus. A dor dele tinha chegado ao fim e para nós ficou a saudade”, conta Marcela.

Em agosto deste ano, ela criou a página no Facebook – “Até Sempre, Meu FIlho”, que já tem quase quatro mil curtidas. E também uma conta no Instagram. E foi através dos relatos que Marcela começou a colocar nas redes sociais que ela percebeu que poderia chegar ao coração de outras mães.

“Saber que estou levando esperança e conforto para quem passa pela terrível dor de perder um filho é muito gratificante e faz com que a morte do Felipe não tenha sido em vão. A história dele ganha um.novo sentido e significado. Sinto também que toda vez que alguém ler o livro é como se o Felipe ganhasse vida novamente, como se ele continuasse existindo não apenas para mim. Não há nada que agrade mais o coração de uma mãe que perdeu seu filho”, pontua a jornalista.

Para conferir a matéria original, clique no link abaixo.

Mãe de um anjinho, jornalista lança livro sobre gestação, luto e uma nova maneira de enxergar a vida

 

Compartilhe